… e há ferrugem no sorriso. Só o acaso estende os braços a quem procura abrigo e proteção, meu amor… 

E quando percebemos que isso acontece bate uma sensação de vazio e vem à tona a pergunta: quando mesmo que tudo começou a se perder? Por hoje é só isso. Gosto de compartilhar meus fractais (e não fragmentos).

Em Plutão, alone again!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.