Façam suas apostas: quem é feliz? Quem pensa que é feliz? Quem quer ser feliz? Quem não acredita em nenhuma das alternativas anteriores? Pertenço ao último grupo, dos que acreditam em momentos de alegria, coisa fulgaz. Não acredito em felicidade, talvez numa paz interior, quem sabe? Quando vejo o maniqueísmo personificado, não consigo não colocá-lo em discussão. Meu objeto em pauta é o personagem coringa de Frank Miller. Em “Batman, o Cavaleiro das Trevas”, as bandeiras da bondade e da maldade tremulam diante dos personagens e de seus atos. Mas fica em segundo plano a dualidade dos conflitos interiores de cada um inclusive do próprio “mocinho” Batman, cujos métodos em nome da bonevolência são extremamente questionáveis dentro dos parâmetros “normais”. Não estou julgando ninguém, muito menos fazendo uma apologia à destacada perversão do coringa. Quero apenas ressaltar e mudar o olhar das pessoas, em meio à saga de mocinho versus bandido, para os inofenssivos cidadãos que compõem a história toda Repararam que o tempo todo eles querem respostas para uma sociedade que vive de aparências? As respostas QUE ELA QUER OUVIR (ela, sociedade) é que sejam agradáveis, que mantenham a ordem e que não as tire do seu conforto. Gotham City reflete a vida de cada um de nós. Mudar incomoda. O diferente incomoda. Sinto-me um coringa obrigada a andar com um sorriso rasgado no rosto, mesmo que minha alma esteja em pedaços, porque a família, o trabalho, a sociedade precisam da resposta que elas querem ouvir. Foda-se meus problemas, meus porquês e tudo o que acomete de estranho. As cabeças dos tidos como atormentados é um estorvo para todos eles que nos rotulam das mais variadas formas. Se for necessário explodir um batmóvel para apagar pistas ou dopar alguém com sertralina, bupropiona, topiramato e lexotan, tá valendo. Quem se importa? Desde que a ordem seja garantida e a felicidade geral da nação preservada, Gotham City estará salva. Batman que fique nas trevas… e eu também!

2 thoughts to ““Why so serious?”

  • Dom Alejandro

    Sociedade….

    Socialidade….

    Saciedade……

    Sabatinagem, sabotagem, surubagem, sacanagem, superficialidade e subordinagem.

    Paranóias mil, traquinágens e atropelágens.

    Tira este povo destas parágens, manda todos para França, sem sacanagem, rápido e rasteiro, para acabar com esse osso, e que lá peguem nos seus pescoços.

    Com carinho – Sêvúplê!!!!

    Responder
  • Claudia Braga

    KKKKKKKKKKKKKKKK….rs…. Só vc pra me fazer rir numa hora dessas. Captou tudo e adorei os pescoços..liberté, igualité..fratenité…

    Bacio Don Alejando

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.