Poesia

  • OFICINA DE HAICAI: O SABER DO SAPO

    Proposta
    A oficina é dividida em dois segmentos. O primeiro, em que se aborda a origem geo-histórica da arte
    do haicai (hokku, kaikai, haiku), bem como seus elementos componentes, contemplam-se poemas
    dos mestres japoneses (haijins) e, no exercício da observação, desafia-se à escrita de versos.
    E o segundo, em que se segue roteiro similar, porém em terra brasilis, com abordagem histórica, autores,
    variações e o desafio da descoberta de uma escrita pessoal. Foco em leitura e produção de haicais.


    Público-alvo
    Aspirantes a escritores, roteiristas, dramaturgos, poetas e, claro, haicaístas; redatores; jornalistas;
    comunicadores em geral e quaisquer pessoas interessadas em descobrir caminhos para sua expressividade.

    Ministrante
    Renato Delboni. Comunicador, designer, pesquisador de temas de cunho criativo e criador da loja
    autoral e laboratório de experimentações, O ovO. Poeta e haicaísta no sentido mais livre do termo.
    De ambos os termos. No sentido mais livre de todos os termos, em verdade.

    Cronograma
    21/março/2014 ou 08/abril/2014
    1ª parte – Oficina Oriental: 14:30 às 16:30h
    Intervalo/café: 16:30 às 17h
    2ª parte – Oficina Ocidental: 17 às 19h

    Local
    AKASA O ovO + Botões
    R. Marquês de Maricá, 486 – Stº Antônio
    (entre R. João de Freitas e Barão de Macaúbas)

    Material
    Material de escrita (papel ou caderno e lápis ou caneta) e haicais prediletos.
    Restante do material a ser utilizado já incluso.

    Vagas
    10 participantes (quorum: 5)

    Investimento
    R$195,00

    Inscrições/info
    (31) 3261-9533 [11-19h]
    o_ovo@yahoo.com
    facebook.com/oovobh
    ou in loco — loja O ovO [11-19h]

     — em O ovO camisetas significativas & achados.

  • Parabéns a todos os poetas!

    Aos amigos poetas e aos apaixonados por poesia, meu melhor abraço!


  • TEATRO – Vincent: asas da agonia

    Cláudia Braga e Jeffersson da Fonseca
    Cláudia Braga, diretora de criação da Canopus Publicidade recebeu no dia 10 de junho uma homenagem no final da peça teatral “Vincent: asas da agonia”, do ator e diretor Jefferson da Fonseca. O espetáculo, que há dez anos encanta platéias de todo o país, voltou a BH em curtíssima temporada.
    Na apresentação do dia 10, ao final do espetáculo, o ator declamou um poema sobre Van Gogh, de autoria de Cláudia Braga e dedicou o espetáculo daquela noite a ela. Cláudia Braga é autora do livro de poesias “A METADE NEGRA”.
    Jornal Estado de Minas
  • A Metade Negra no Teatro

    Poema “Aonde Vou” de Electra N. Barbabela
    O Grupo de teatro do Pitágoras Timbiras desde 2002 vem apresentando espetáculos conhecidos pelo público, como Hamlet, de William Sheakespeare.
    Em maio de 2004 um monólogo foi apresentado por um dos alunos, cujo texto foi baseado no poema de Electra N. Barbabela, intitulado “Aonde Vou”. Este poema é integrante do livro “A Metade Negra”, livro o qual o aluno recebeu de presente e indicou o verso para ser interpretado.